1 de junho de 2009

Congresso vai discutir legalização dos bingos


O lobby em favor da legalização do jogo, está de volta e mais fortalecido. O motivo do ressurgimento tem origem no Palácio do Planalto. Ao contrário da recomendação predominante até agora, de não levar o assunto adiante, o governo deu sinal verde para que parlamentares retomem o debate. Com esse aval, o primeiro passo será a discussão e a votação na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara da proposta de legalização de bingos e cassinos no País.

A principal resistência à legalização, que vinha do Ministério da Fazenda, temeroso de que a atividade ampliasse os crimes de lavagem de dinheiro e sonegação, diminuiu diante da proposta consolidada pelo deputado João Dado (PDT-SP). O que mais agradou ao governo foi o fato de a proposta aceitar a notificação online dos prêmios e do imposto a pagar - o recolhimento do tributo será, no máximo, no primeiro dia útil seguinte ao jogo.

O projeto também manda a indústria do jogo pagar royalties à União e aos Estados, proíbe concessão de crédito aos apostadores, para evitar endividamento, e cria um cadastro para apoio aos viciados em jogos.

A proposta está na pauta da comissão para esta semana. Como o tema é polêmico, deverá levar algumas semanas até ser votado. A matéria vai além da disputa entre governo e oposição e há divisões na maioria dos partidos. Por isso, a posição do Planalto é acompanhar o debate a distância, sem interditá-lo. Súmula do STF definiu, em 2007, que o jogo pode funcionar depois de aprovada uma lei federal - por iniciativa do Executivo ou do Legislativo.

IMPOSTO NA FONTE

Em fevereiro passado, João Dado e o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), presidente da Força Sindical, se reuniram com o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Machado, e apresentaram o esboço do projeto. Segundo João Dado, dois pontos incluídos na proposta foram decorrentes da conversa com Machado e técnicos do ministério.

Primeiro ponto: a preservação dos bingos beneficentes, que ficam excluídos das regras fixadas na lei, desde que não distribuam prêmios em dinheiro e que se realizem em intervalos de, no mínimo, 15 dias. Segundo, a fiscalização da atividade a cargo da Fazenda e da Receita Federal.

Na quarta-feira passada, o deputado Paulinho conversou com o ministro de Relações Institucionais, José Múcio Monteiro - elo entre o governo e o Congresso -, sobre a legalização do jogo. Segundo o parlamentar, Múcio recebeu cópia do projeto que aguarda votação na Comissão de Finanças. "O ministro disse que, da parte do governo, está liberado", disse Paulinho. Outros parlamentares governistas reafirmaram a intenção do Planalto de não mais barrar a tramitação.

Um integrante do governo confirmou que não há intenção de obstruir a discussão sobre a legalização do jogo, o que não significa, segundo ele, apoio à proposta - o governo se sente politicamente confortável em deixar que a iniciativa fique com o Congresso. Ele considerou "salutar" a retomada da discussão e disse que "o projeto melhorou bastante", em comparação com propostas anteriores. Lembrou que, no caso de aprovação pelo Congresso, o presidente pode vetar pontos que não considerar adequados.

ROYALTIES

Para enfrentar os argumentos sociais, em especial o aumento do vício em jogos de azar, o projeto de João Dado prevê a criação de um cadastro nacional de pessoas dependentes, que serão proibidas de frequentar os estabelecimentos. O banco de dados será feito pelo poder público, mas o projeto não detalha os critérios para inclusão dos dependentes, o que será feito em lei posterior.

Outro ponto mantém a obrigatoriedade de pagamento de royalties à União e aos Estados, no valor mensal de 15% da receita dos bingos e cassinos, a serem destinados à saúde.

O projeto considera infração penal o descumprimento da lei. Crimes como fraudar resultados, permitir entrada de menores nas casas de jogos e funcionar sem autorização implicariam em penas de prisão de 1 a 5 anos e multa.


PRINCIPAIS PONTOS

Permite a legalização de bingo, videobingo, videoloteria e cassino

Dá ao Ministério da Fazenda a atribuição de criar e homologar
o sistema de controle e fiscalização dos jogos

O poder público receberá royalties mensais de 15% da receita do estabelecimento, a serem aplicados em programas de saúde

Proíbe crédito para as apostas, que devem ser pagas à vista, para evitar endividamento

Cada cidade poderá ter 1 estabelecimento de jogo para cada 150 mil habitantes

Autoriza até 10 cassinos no País (no máximo 2 por região)

Bingos têm de empregar no mínimo 50 funcionários; cassinos, 500

Considera infração penal o descumprimento da lei, com penas de prisão e multa


AVANÇOS E RECUOS

1993 Lei Zico:

Permitia a legalização dos bingos por leis estaduais, com parte da receita destinada a confederações esportivas. Muitos bicheiros migram para a exploração legal dos bingos e dos caça-níqueis

1998
Lei Pelé:

Revoga a Lei Zico e permite funcionamento de bingos com autorização da União e não dos Estados. A Caixa Econômica
Federal (CEF) passa a conceder as licenças de funcionamento

2000
Lei Maguito:

Revoga a Lei Pelé e determina o fechamento dos bingos até dezembro de 2002. Muitos continuam a funcionar graças a liminares

2002
Lula e os bingos:

Candidato a presidente, Lula deixa claro que vai propor a legalização dos bingos

2003
Decisão de governo:

Grupo de trabalho do governo Lula estuda a legalização do jogo, com fiscalização da Receita Federal

2004
Caso Waldomiro:

Em fevereiro, estoura o escândalo que envolve o "empresário do jogo", Carlinhos Cachoeira, e o ex-presidente da Loteria do Rio (Loterj) Waldomiro Diniz, transformado em assessor do então ministro da Casa Civil José Dirceu. O empresário gravou conversa em que Waldomiro cobrava propina para aprovar contratos com a Loterj. Em maio, Senado rejeita MP aprovada na Câmara que proibia bingos e jogos eletrônicos

2005
CPI dos Bingos:

Oposição consegue instalar a CPI dos Bingos, que descobre
doações de "empresários do jogo" à campanha de Lula

2007
Súmula do STF:

Supremo Tribunal Federal (STF) aprova súmula vinculante (decisão a ser seguida por todas as instâncias da Justiça) proibindo que leis estaduais tratem de jogos recreativos. Apenas a União pode tratar do assunto

2008
Pró-legalização:

Em setembro, a Comissão de Desenvolvimento Econômico da Câmara aprova parecer (e um projeto substitutivo) do relator Vicentinho Alves (PR-TO) que legaliza bingos e cassinos. O projeto relatado, de autoria do deputado Mendes Thame (PSDB-SP), propunha exatamente o contrário: a proibição da exploração do jogo

2009
Proposta João Dado:

Em 14 de maio, o projeto de Mendes Thame, agora em análise na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, recebe outro substitutivo, do relator João Dado (PDT-SP

6 comentários to “Congresso vai discutir legalização dos bingos”

  • sexta-feira, 05 junho, 2009
    Anônimo says:

    sou funcionaria de bingo desde de 1995,e nao vejo a hora de voltar a trabalhar legalmente.ultimamente estamos sendo marginalizados,e trabalhando em bingos clandestinos,nao e conveniente porque nao temos carteira assinada,ou seja,nao temos direito algum,e quando a policia pega temos que responder pelo crime de contravençao.obrigada pelo espaço e que tudo de certo.nao vejo a hora....

    delete
  • segunda-feira, 15 junho, 2009
    Anônimo says:

    A legalização dos Bingos, deveria ser coordenada pela Cxa.Ec.Federal, visando arrecadação p/ Fundos Assistenciais, saúde, educação, etc..., obtendo-se controle total através de tikets (tipo raspadinha) c/ créditos pré-estipulados e valôres contidos (tipo Cart.de Crédito), c/ sistemas magnético, aonde vários valôres poderiam ser impressos. Como uma nota de verdade, com a vantagem que ao adquirir, os impóstos já estariam recolhidos, antecipadamente e cabe ao jogador estipular seus limítes. A "Caixa" vende o cartão p/ a "Casa" o jogador compra e joga qto. quiser. Máquinas c/ leitores destes cartões seriam distribuídos sòmente pela "caixa", mediante cadastramento, como nas Loterias.

    delete
  • quarta-feira, 08 julho, 2009
    Anônimo says:

    Fora a caixa e sim a iniciativa privada!! Vocês não veem que eles proibiram os bingos para a Mega Sena acumular mais rapido?? Assim vocês tem idéia de quanto aumenta a receita deles? A situação do jogo da caixa é ridícula, estas raspadinhas pagam menos que caça-níquel, sendo ele proibido !!!!!!!!

    delete
  • sexta-feira, 01 janeiro, 2010
    laninha says:

    Boa noite Kika, você sabe sobre alguma coisa relacionado aos bingos??? Fiquei sabendo pelo o meu tio que trabalha com um dos antigos sócios do bingo arpoador, que só faltava a assinatura dele para poder finalmente reabrir os bingos!!! Será que isso é verdade???
    VAMOS TORCER PRA SER VERDADE E SE FOR QUE NÃO DEMORE!!! PRECISO TRABALHAR........

    delete
  • terça-feira, 02 março, 2010
    Anônimo says:

    olá,kika em são luis do maranhão as autoridades estão permitindo o funcionamento normal dos bingos,tem dentro do shopping tavola e outro na lagoa da jansem.Afinal pode ou não pode...Pô!!!

    delete
  • quarta-feira, 24 março, 2010
    ROSALEM says:

    Alegalização do jogo do bingo será mais uma catastrofe no país. Quando funcionava legalmente, foi a causa da destruição de várias famílias, pois não adianta falar que " JOGA QUEM QUER " Porque o vício do jogo é muito pior que o vicio das drogas. Portanto esse governo vem com mais essa noticia. Agora sim a corrupção policial vai imperar, pq os caça niqueis de boteco vai funcionar pra valer, e quem deverá fiscalizar, ira´sim, mas para receber a propina. QUEM VIVER VERÁ.

    delete

Postar um comentário

 

Blog Da Kika Copyright © 2011 -- Template created by Kika Martins -- Powered by Blogger