6 de novembro de 2008

Leia a íntegra do primeiro discurso de Barack Obama após a vitória



Oi, Chicago. Se alguém ainda duvida que a América é um lugar onde tudo é possível, pergunta se o sonho dos pioneiros está vivo em nossos tempos e questiona o poder da nossa democracia, esta noite é sua resposta.

É a resposta das filas que cercaram escolas e igrejas em números que essa nação nunca havia visto. [É a resposta] das pessoas que esperaram três ou quatro horas, muitas pela primeira vez em suas vidas, porque acreditavam que agora precisava ser diferente, que as suas vozes podiam fazer diferença.

É a resposta de jovens e idosos, ricos e pobres, democratas e republicanos, negros, brancos, hispânicos, asiáticos, índios, gays, heterossexuais, deficientes e não-deficientes. Americanos que enviaram ao mundo a mensagem de que nós nunca fomos somente uma coleção de indivíduos ou uma coleção de Estados vermelhos e azuis. Nós somos e sempre seremos os Estados Unidos da América.

É a resposta que motivou aqueles que ouviram por tanto tempo e de tanta gente que era preciso ser cínico, medroso e cético em relação ao que poderiam conquistar até colocar a mão no arco da história e abraçá-lo uma vez mais na esperança de dias melhores.

O caminho foi longo, mas esta noite, graças ao que fizemos nesse dia de eleição, nesse momento decisivo, a mudança chegou à América. Há alguns instantes, recebi um telefonema extraordinariamente gracioso do senador McCain. Ele lutou muito e por muito tempo nesta campanha.

Ele lutou ainda mais e por mais tempo ainda por esse país que ama. Ele enfrentou sacrifícios pela América que a maioria de nós nem pode começar a imaginar. Nós estamos melhores graças ao serviços desse líder corajoso e altruísta.

Eu o parabenizo e parabenizo a governadora Palin por tudo o que eles conquistaram. Estou ansioso por trabalhar com eles e renovar a promessa da nação nos próximos meses.
Eu quero agradecer ao meu parceiro nessa jornada, ao homem que fez campanha com o coração e falou pelos homens e mulheres ao lado de quem cresceu nas ruas de Scranton e com os quais andou de trem a caminho de Delaware: o vice-presidente eleito dos EUA, Joe Biden.

E eu não estaria aqui nesta noite sem o incansável apoio da minha melhor amiga nos últimos 16 anos, a pedra-angular da nossa família, o amor da minha vida, a próxima primeira-dama dessa nação: Michelle Obama. Sasha e Malia [filhas de Obama], eu amo vocês mais do que podem imaginar. E vocês mereceram o cachorrinho que irá morar conosco na nova Casa Branca.

E, embora ela não esteja mais entre nós, sei que minha avó está nos vendo, ao lado da família que me fez ser quem eu sou. Eu sinto falta deles nesta noite.
Sei que minha dívida com eles está além de qualquer medida.

À minha irmã Maya, à minha irmã Alma, a todos os meus outros irmãos e irmãs, muito obrigado por todo o apoio que me deram. Sou grato a eles.

E agradeço ao meu chefe de campanha, David Plouffe, o herói anônimo que construiu aquela que eu considero a melhor campanha política da história dos EUA.

[Obrigado] ao meu estrategista-chefe David Axelrod, que tem sido um companheiro em cada passo desse caminho. [Obrigado] à melhor equipe de campanha na história da política -vocês fizeram isso acontecer, e eu serei eternamente grato pelos sacrifícios que vocês fizeram para chegarmos lá.

Mas, acima de tudo, eu nunca esquecerei a quem essa vitória realmente pertence. Ela pertence a vocês. Ela pertence a vocês. Eu nunca fui o candidato favorito na disputa por esse cargo. Nós não começamos com muito dinheiro ou apoios.

Nossa campanha não nasceu nos corredores de Washington. Ela nasceu nos quintais de Des Moines, nas salas de estar de Concord e nos portões de casa de Charleston. Ela foi construída por homens e mulheres trabalhadores que sacrificaram as pequenas poupanças que tinham para doar US$ 5, US$ 10 ou US$ 20 à [nossa] causa.

Ela [a campanha] cresceu por impulso dos jovens que rejeitaram o mito da apatia da sua geração e trocaram suas casas e suas famílias por empregos que ofereciam baixo salário e [poucas horas de] sono. Ela tirou suas forças de pessoas não tão jovens assim que bravamente enfrentaram frio e calor para bater às portas de estranhos, e dos milhões de americanos que se voluntariaram e se organizaram e provaram que, mais de dois séculos depois, um governo do povo, pelo povo e para o povo não desapareceu da Terra. Essa é a nossa vitória.

E eu sei que vocês não fizeram isso só para ganhar uma eleição. Eu sei que vocês não fizeram tudo isso por mim.

Vocês fizeram isso porque entendem a grandiosidade da tarefa que nos espera. Por mais que comemoremos nesta noite, entendemos que os desafios que de amanhã são os maiores de nossos tempos -duas guerras, um planeta em perigo, a pior crise financeira em um século.

Enquanto estamos aqui nesta noite, sabemos que há corajosos americanos acordando no deserto do Iraque e nas montanhas do Afeganistão para arriscar suas vidas por nós. Há mães e pais que ficam acordados depois de os filhos terem dormido, se perguntando como poderão pagar suas hipotecas e consultas médicas, ou poupar o suficiente para financiar os estudos dos filhos. Há novas energias para explorar, novos empregos para criar, novas escolas para construir, ameaças para enfrentar e alianças para consertar.

O caminho será longo. Nossa subida será íngreme. Nós talvez não cheguemos lá em um ano ou mesmo em um mandato. Mas, América, nunca tive mais esperança do que hoje de que chegaremos lá. Eu prometo a vocês que nós, como pessoas, chegaremos lá. Haverá atrasos e inícios em falso.

Muitos não irão concordar com todas as decisões ou políticas que eu adotarei como presidente. E nós sabemos que o governo não pode resolver todos os problemas.
Mas eu sempre serei sincero com vocês sobre os desafios que enfrentaremos. Eu os ouvirei, especialmente quando discordarmos. E, acima de tudo, eu peço que vocês participem do trabalho de reconstrução desta nação, do jeito que tem sido feito na América há 221 anos -bloco por bloco, tijolo por tijolo, mão calejada por mão calejada.

O que começamos há 21 meses em pleno inverno não pode terminar nesta noite de outono. Esta vitória isolada não é a mudança que buscamos. Ela representa apenas a oportunidade de fazermos a diferença. E isso não vai acontecer se voltarmos ao modo como as coisas eram. [A mudança] não pode se feita sem vocês, sem um novo espírito de serviço, um novo espírito de sacrifício. Então alcemo-nos até um novo espírito de patriotismo, de responsabilidade, graças ao qual cada um de nós irá se levantar e trabalhar ainda mais e cuidar não apenas de si mesmo mas também dos outros.

Vale lembrar que, se essa crise financeira deixou algum ensinamento, é o de que não podemos ter uma próspera Wall Street enquanto a Main Street [economia real] sofre.
Nesse país, nós crescemos ou caímos como uma mesma nação, como um só povo. Resistamos à tentação de voltar ao partidarismo, à mesquinhez e à imaturidade que envenenou nossa política por tanto tempo.

Lembremo-nos que foi um homem deste Estado o primeiro a carregar a bandeira do Partido Republicano à Casa Branca, um partido fundado sobre valores de autoconfiança, liberdade individual e unidade nacional.

Esses são valores que todos compartilhamos. E mesmo que o Partido Democrata tenha conseguido uma grande vitória nesta noite, temos uma dose de humildade e de determinação para superar as divergências que têm travado nossos avanços.

Como [o ex-presidente Abraham] Lincoln [1861-1865] havia declarado a uma nação muito mais dividida do que a nossa, não somos inimigos, mas amigos. A paixão fervente pode ter se acirrado, mas não pode romper nossos elos de afeição. E àqueles americanos cujo apoio eu ainda terei que merecer, eu talvez não tenha ganho seu voto, mas eu ouço suas vozes. Preciso de sua ajuda. Serei seu presidente também.

E a todos aqueles que nos acompanham nesta noite, para além das nossas fronteiras, em Parlamentos e palácios, àqueles que se reúnem ao redor de rádios, nas esquinas esquecidas do mundo, nossas histórias são únicas, mas nosso destino é partilhado, e uma nova aurora na liderança americana irá surgir.

Àqueles que querem destruir o nosso mundo: nós os derrotaremos. Àqueles que buscam paz e segurança: nós os apoiamos. E a todos que vêm se perguntando se o farol da América ainda brilha como antes: nesta noite nós provamos mais uma vez que a verdadeira força da nossa nação vem não da bravura das nossas armas ou do tamanho da nossa riqueza, mas do poder duradouro de nossos ideais: democracia, liberdade, oportunidade e inabalável esperança.

Esse é o verdadeiro talento da América: a América é capaz de mudar. Nossa união pode ser aperfeiçoada. O que já alcançamos nos dá esperança em relação ao que podemos e ao que precisamos alcançar amanhã.

Essa eleição teve muitos feitos inéditos e muitas histórias que serão contadas por gerações. Mas há uma em especial, que está em minha mente nesta noite, a respeito de uma mulher que votou em Atlanta. Ela poderia ser mais uma entre milhões de pessoas que fizeram fila para terem a voz ouvida nessa eleição, não fosse por um detalhe: Ann Nixon Cooper tem 106 anos.

Ela nasceu apenas uma geração após a escravidão; uma época na qual não havia carros nas vias nem aviões nos céus; [uma época] na qual uma pessoa como ela não podia votar por dois motivos -porque era mulher e por causa da cor de sua pele. Nesta noite penso em tudo que ela viu ao longo de seu século na América -as dores e as esperanças, o esforço e o progresso, a época em que nos diziam que não podíamos, e as pessoas que continuaram com o credo: Sim, nós podemos.

Em um tempo no qual vozes de mulheres eram silenciadas e suas esperanças, descartadas, ela viveu para vê-las se levantar e ir às urnas. Sim, nós podemos.
Quando havia desespero nas tigelas empoeiradas e depressão por toda parte, ela viu uma nação conquistar seu New Deal, novos empregos, um novo senso de comunidade. Sim, nós podemos.

Quando bombas caíam em nossos portos e a tirania ameaçava o mundo, ela estava lá para testemunhar uma geração chegar à grandeza, e a democracia foi salva. Sim, nós podemos. Ela estava lá para ver os ônibus em Montgomery, as mangueiras em Birmingham, a ponte em Selma e um pregador de Atlanta que dizia "Devemos Superar". Sim, nós podemos.

Um homem chegou à Lua, um muro caiu em Berlim, um mundo foi conectado por nossa ciência e imaginação. Neste ano, nesta eleição, ela [Cooper] tocou o dedo em uma tela e registrou o seu voto porque, após 106 anos na América, atravessando os melhores e os mais escuros dos tempos, ela sabe que a América pode mudar. Sim, nós podemos.

América, nós chegamos de tão longe.

Vimos tanto. Mas há tantas coisas mais para serem feitas. Então, nesta noite, devemos nos perguntar: se nossas crianças viverem até o próximo século, se minhas filhas tiverem sorte suficiente para viver tanto quanto Ann Nixon Cooper, quais mudanças elas irão ver?

Quanto progresso teremos feito? Chegou a nossa hora de responder a esse chamado. É o nosso momento.

Esse é nosso tempo de devolver as pessoas ao trabalho e criar oportunidade para nossas crianças; [tempo de] restaurar a prosperidade e promover a paz; de reavivar o sonho americano e reafirmar a verdade fundamental de que, em meio a tantos, nós somos um; de que, enquanto respirarmos, temos esperança. E onde estamos vai de encontro ao cinismo, às dúvidas e àqueles que dizem que não podemos. Responderemos com o brado atemporal que resume o espírito de um povo: Sim, nós podemos.
Obrigado. Deus os abençoe. E Deus abençoe os Estados Unidos da América.

1 comentários:

  • quinta-feira, 06 novembro, 2008

    E DIZER QUE LULA E O BRASIL FORAM QUEM DEU O SATRT NESTA VENDADEIRA REVOLUÇÃO QUE ESTA ACONTECENDO NO MUNDO.

    AGORA TENHO MUITO ORGULHO DE SER BRASILEIRO E DE TER LULA COMO PRESIDENTE.

    !!@V@NTE KIKA!!

    delete

Postar um comentário

 

Blog Da Kika Copyright © 2011 -- Template created by Kika Martins -- Powered by Blogger